quinta-feira, 30 de março de 2017

A Dor De Não Saber

É escusado reconhecer que é uma perda de tempo. Isso já nós sabemos. Bem podemos perguntar: porque não te guardas para o momento em que souberes o que te aconteceu? Porque não adias mais esta visita ao poço de todas as tuas lágrimas, onde vive o papão que engordaste com todos os teus medos? Como aceitas tu sofrer sem conhecer a causa? Não faz diferença.
Às vezes, quando vem o momento e não acontece o que se temeu, já é tarde. A preocupação exausta. Não sobra lugar na alma para a despreocupação. É como ter uma sala tão cheia de tralha que não cabe lá um braço.  

O contrário de preocupar não é despreocupar. É desocupar. E desocupar é mais difícil quando a nossa alma já está ocupada, a pensar e a sofrer.

Miguel Esteves Cardoso (Público)

quarta-feira, 29 de março de 2017

CGD: A Incúria E O Bloqueamento Do Acesso Ao Conhecimento Dos Desvarios

Um dos emprestadores sem eira nem beira, a quem vamos pagar a incúria, é a Caixa Geral de Depósitos. A recapitalização que pagamos são milhares de milhões de euros de crédito perdido em negócios ruinosos. Irrecuperável. Numa lista curta. Demasiado curta para que o seu conhecimento não suscite muita pedagogia e nos proteja de repetições, como diriam os açorianos.
Pois que fazem PS, PC e Bloco? Bloqueiam, com a sua maioria, o acesso ao conhecimento dos deputados sobre as misérias e desvarios que não podem voltar a acontecer na Caixa. Desobedecem até ao Tribunal da Relação para evitar que se fique mesmo a saber o que fez a Caixa no tempo de Sócrates. 
O deputado do PCP que queria tirar o salário à dr. Teodora Cardoso (e a quem o PS já esta semana fez o favor de propor legislação para acabar com a independência do Conselho das Finanças Públicas) acha que conhecer no Parlamento a lista dos grandes devedores que obrigaram a esta recapitalização “vai certamente fragilizar a Caixa”…

A mesma esquerda que concentra esforços para despedir o governador do Banco de Portugal – ou quem quer que ouse discordar da paz socialista – é quem impede que se conheçam auditorias internas do banco público, a situação dos 50 maiores devedores do banco, a lista dos créditos superiores a um milhão de euros e os 50 acima deste valor que deixaram de pagar. Que se possa evitar que pelo menos no banco público não se repita a pouca-vergonha que nos põe esta canga às costas.
Excertos do artigo de José Eduardo Martins, Visão (15-3-2017)

30 Aldeias Alentejanas Concorrem Às "7 Maravilhas De Portugal - Aldeias"

São 30 as aldeias alentejanas que querem ser uma das 7 mais belas de Portugal. Estão em competição cerca de 332 aldeias portuguesas por sete lugares em destaque nas “7 Maravilhas de Portugal - Aldeias”.

As alentejanas em concurso são, do distrito de Portalegre: Ouguela (Campo Maior),  Flor da Rosa (Crato),  Belver (Gavião) e Alegrete (Portalegre);

de Évora: Aldeia da Orada (Borba), Evoramonte (Estremoz), Cortiçadas de Lavre, São Cristóvão, São Geraldo e Vila de Lavre (Montemor-o-Novo), Aldeia da Luz e ranja (Mourão) Brotas e Pavia (Mora), Monsaraz (Reguengos de Monsaraz) e Aguiar (Viana do Alentejo);

de Beja: Baleizão (Beja), São Martinho das Amoreiras, Santa Clara-a-Velha, Vale de Santiago e Zambujeira do Mar (Odemira), Safara, Santo Aleixo da Restauração e Santo Amador (Moura) e  Vila de Frades (Vidigueira);

e as aldeias do Litoral Alentejano: Canal Caveira, Lousal, Melides e Santa Margarida da Serra (Grândola) e Porto Covo (Sines).

Até 31 de março decorre a fase de selecção de 49 semi-finalistas, divulgados a 7 de Abril e sendo que, de 9 de Julho a 20 de Agosto, serão escolhidas as 14 finalistas.

Fonte:Tribuna Alentejo

O Problema Do PSD É Que Não Tem Coragem E ....

De: José Manuel Fernandes
... Não tem capacidade, para mobilizar o eleitorado em torno da ideia de um país com mais liberdade, onde o Estado mande menos para a economia poder crescer mais

Era possível derrotar Fernando Medina em Lisboa? Creio que sim, se PSD e CDS se tivessem entendido. Com ou sem candidatura de Cristas. Mas como esta não é a primeira vez que, na capital, a direita, e o PSD em particular, correm para perder, não creio que esse seja o maior problema de Passos.

O maior problema de Passos é que, mesmo depois dos difíceis anos de ajustamento, o país não dá sinais de ter entendido a necessidade de reformas e ele, tal como o PSD (e o CDS), parecem ter-se resignado a isso. Por isso não tem um discurso político mais coerente e mais mobilizador. Pode ter toda a razão do mundo quando denuncia os truques orçamentais do Governo (e tem), mas isso é pouco. Pode ir aproveitando as diferentes trapalhadas da geringonça, mas isso também é pouco, é politiquinha que só mobiliza os activistas. Pode (e até deve) continuar a avisar para os perigos do rumo que está a ser seguido, mas continua a ser muito pouco e muito deprimente. Pior: tudo somado é sempre poucochinho.

Dir-se-á: podia ser diferente? A meu ver podia, e não apenas fazendo “mais política”, como recomendam os comentadores que adoram a intriga, a manobra e o jogo de enganos. Mas exigia outra forma de olhar para o país e de fazer política. Uma capacidade para dizer sem rodeios que Portugal nunca irá a lado nenhum enquanto não sair deste atavismo que mistura o corporativismo que vem do Estado Novo com o socialismo “constitucional”, essa sopa pastosa em que nos movemos e que nunca ninguém verdadeiramente desafiou.

José Manuel Fernandes, OBSR 

O Instante ...

"O instante só tem um lugar estreito entre a esperança e o desgosto, e esse é o lugar da vida." 
(Marcel Jouhandeau)

"Um instante traz coisas não imaginadas por ninguém." 
(Publílio Siro)

terça-feira, 28 de março de 2017

A Rebaldaria: 1 Chefe Para Cada 4 Funcionários E Meio - Tudo De Pernas Para O Ar ...

... E todos nós a pagar


Auditoria revela que os trabalhadores têm ainda direito a dispensa de oito horas por cada mês e à folga no dia de aniversário. Nada está previsto na lei. E custa mais de 47 mil euros por ano.

Apesar de a lei exigir, no mínimo, um rácio de 10 trabalhadores por cada coordenador, os recursos humanos da Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) tinham em setembro de 2015 um chefe para cada 4,5 funcionários. Os resultados da auditoria da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) à DGSS, aprovada a 9 de fevereiro passado, divulgados hoje pelo Dinheiro Vivo (nas edições do DN e do JN) dão conta até da existência de dois casos concretos em que duas coordenadoras técnicas chefiam um e três funcionários respetivamente.
Mais atropelos à lei: quatro técnicos superiores e duas coordenadoras técnicas beneficiam do regime de isenção de horário de trabalho sem cumprirem os requisitos necessários. E todos os trabalhadores gozam de oito horas de dispensa mensal, e têm ainda direito à folga nos dias de aniversário. “Esta situação traduz-se no benefício adicional de mais 12 dias anuais de não trabalho (que acrescem aos dias de férias) e tem um impacto financeiro anual superior a 47 mil euros (apenas considerando os técnicos superiores)”, diz o relatório da auditoria, citado pelo DN.
Ao todo, serão atualmente 86 os trabalhadores efetivos da DGSS – 16 dirigentes, 44 técnico superiores, 21 assistentes técnicos, quatro assistentes operacionais e um técnico de informática.
Também ao DN, o gabinete do ministro do Trabalho e da Segurança Social explicou que as dispensas ao trabalho estavam previstas na lei de 2005, mas não na legislação entretanto aprovada e a vigorar desde 2013; e justificou o rácio chefe/subordinados com o “emagrecimento radical” do quadro de funcionários, que passou de 125 em 2009 para 73 em 2015.

A UE Na Viragem Do Século

As divergências tornaram-se maiores, entre regimes como os do norte, que na viragem do século se adaptaram para competir globalmente, e regimes como os do sul, em que nada disso aconteceu.
A união monetária, em vez de propiciar mudanças, tem financiado o seu adiamento, antes e depois da “crise do euro”.

A UE tornou-se assim o perverso caldo de cultura das demagogias mais cínicas. Catarina Martins pode servir de exemplo: exige a saída portuguesa da moeda única – para defender o que chama “Estado social”, quando sabe muito bem que o abandono do euro, com a desordem e a inflação decorrentes, significaria rapidamente o colapso venezuelano do seu “Estado social”. Então porque quer sair? Porque Martins, tal como Jerónimo de Sousa, também sabe que esta Europa dificilmente comportará projectos de sociedade, como os deles, sugeridos por uma ou outra fase da ditadura soviética. E era isso que importava que a UE tornasse ainda mais manifesto, como já foi no passado.

Hoje, a UE é um albergue espanhol em que cabem regimes bancarroteiros, como o do Syriza na Grécia, ou autoritários, como o do Fidesz na Hungria. Mas o problema não está apenas na oportunidade dada a parasitas e a provocadores. Está na ambiguidade do sistema, que alimenta todas as indecisões e artimanhas, como as daqueles que renegam a UE, enquanto se aproveitam dela. A integração europeia, se quer continuar a ter um sentido, tem de deixar de ser uma simples ginástica tecnocrática, para constituir novamente uma opção política sobre modos de vida. Precisa de um pouco menos de Eurostat e de bastante mais de filosofia.

Excertos do artigo de Rui Ramos, OBSR 

Desafio

Depois de termos conseguido subir a uma grande montanha, só descobrimos que existem ainda mais grandes montanhas para subir.

Nelson Mandela 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Notícias Soltas





Esta É A Frase

«A questão política da actualidade está na desaparição do centro-esquerda europeu, cujo espaço os populistas invadiram. E ou volta a representar quem ignorou, ou o populismo instalar-se-á no seu lugar»

Alexandre Homem Cristo, OBSR

Adenda: A esquerda tem convenientemente fugido a esta discussão, limpando as mãos das suas responsabilidades. Só que, ao fazê-lo, continua a dar gás aos populismos contra os quais se lamuria. Sim, os populismos de Wilders e Le Pen cavalgam nas angústias e nos medos que a crise económica, a globalização e a imigração trouxeram. E, claro, afiam as facas contra as imperfeições de uma União Europeia que, tantas vezes, se desorientou. Mas denunciar o seu discurso ou apontar-lhes o dedo já não chega. O momento decisivo da Europa é, também, a hora decisiva para os partidos socialistas europeus. Ou o centro-esquerda se reinventa e volta a representar o eleitorado que ignorou, ou perde definitivamente o seu lugar para o populismo.

Ser Feliz

Ser feliz sem 
motivo é a mais
autêntica forma
de felicidade

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 26 de março de 2017

Acupuntura Alivia Dor Remapeando Circuitos Do Cérebro

"A acupuntura é uma terapia médica que se originou na China há milhares de anos. Mas, apesar da sua longa história, a intervenção em si - especialmente quando combinada com estimulação eléctrica - tem semelhanças significativas com muitas terapias convencionais, como a estimulação eléctrica nervosa transcutânea (TENS).
"Um grande número de pesquisas clínicas que exploram o uso da acupuntura para os distúrbios da dor crónica tem demonstrado que ela pode ser marginalmente melhor do que um procedimento placebo na redução nas classificações da dor. Mas as perguntas ainda permanecem: Como funciona exactamente a acupuntura ? Ela é melhor para melhorar os resultados objectivos para a dor crónica?" ponderou o professor Vitaly Napadow.

Experiências realizadas num estudo de neuroimagem da acupuntura controlada por simulação, envolvendo pacientes com síndrome do túnel do carpo, transtorno neuropático envolvendo dores fortes e persistentes, conduziram às seguintes conclusões:

"A acupuntura simulada pode 'funcionar' modulando os conhecidos circuitos placebo no cérebro," disse Napadow. "Em contraste, a acupuntura real pode melhorar os sintomas da síndrome do túnel do carpo remodelando o córtex somatossensorial primário, além de modular o fluxo sanguíneo local para o nervo periférico no pulso. Em outras palavras, ambas as alterações neurofisiológicas periféricas e centrais na síndrome do túnel do carpo podem ser interrompidas ou mesmo invertidas por meio de intervenções de eletroacupuntura que proporcionam uma entrada mais prolongada e mais regulada ao cérebro - algo que os futuros estudos de neuroimagem a longo prazo devem explorar."
Os resultados foram descritos na revista científica Brain.

Esta É A Frase

Três centenas de mortos e perto de um milhar de feridos depois, na contagem de João Pereira Coutinho, feita nas páginas deste Jornal, ainda não há uma resposta comum à ameaça que paira sobre todos. A troca de informações entre polícias europeias melhorou? Sim, pudera.
Mas os fanáticos lobos, solitários ou em alcateia, continuam a poder circular entre os bairros periféricos da Velha Europa e o território ainda ocupado pelos terroristas na Síria e Iraque.

Octávio Ribeiro, CM 

Duvida Que ...

"A dúvida é uma homenagem prestada à esperança."

IDL 

sábado, 25 de março de 2017

Notícias Soltas

Dia 27 De Março É O Dia Em Que As Lagoas Abrem Ao Mar Na Costa Alentejana

O processo denomina-se "rompimento da barra arenosa que separa do mar o corpo lagunar" das Lagoas de Melides em Grândola e de Santo André em Santiago do Cacém e acontece no próximo dia 27 de março. A primeira às 16h00 e a segunda às 17h00.
O momento é extraordinário e atrai um número crescente de visitantes, alguns deles surfistas, que aproveitam o fluxo da entrada da água na lagoa para se divertirem. A abertura das lagoas é feita para renovação da água da lagoa, a limpeza, a lavagem do seu fundo e a entrada de algumas espécies piscícolas, com destaque para os alvins e as enguias.

Fonte: Tribuna Alentejo

Assim Acontece

Logo que surge uma utópica melhoria nas ficcionadas contas do estado português, começa o despesismo. Em benefício dos cidadãos? - Não. O benefício é do ego exarcebado
de cada um em detrimento de quem paga - nós todos.
Temos aqui um exemplo do que se passa por este país fora.

Fonte: J SOL

Sozinho Com O Universo Inteiro


Começa a haver meia-noite, e a haver sossego,
Por toda a parte das coisas sobrepostas,
Os andares vários da acumulação da vida...
Calaram o piano no terceiro andar...
Não oiço já passos no segundo andar...
No rés-do-chão o rádio está em silêncio...

Vai tudo dormir...

Fico sozinho com o universo inteiro.
Não quero ir à janela:
Se eu olhar, que de estrelas!
Que grandes silêncios maiores há no alto!
Que céu anticitadino! —
Antes, recluso,
Num desejo de não ser recluso,
Escuto ansiosamente os ruídos da rua...
Um automóvel — demasiado rápido! —
Os duplos passos em conversa falam-me...
O som de um portão que se fecha brusco dóí-me...

Vai tudo dormir...

Só eu velo, sonolentamente escutando,
Esperando
Qualquer coisa antes que durma...
Qualquer coisa.

Álvaro de Campos 

sexta-feira, 24 de março de 2017

Notícias Soltas

Mudança Radical Na Forma Como Cientistas E Médicos Encaram A Gordura No Corpo Humano

[Imagem: Marcelo Mori]
Nos últimos anos, está a ocorrer uma mudança radical na forma como cientistas e médicos encaram a gordura no corpo humano.
Muito além de um simples depósito de energia, hoje já se sabe, por exemplo, que a gordura corporal tem neurónios que comunicam com o cérebro e a gordura marrom é um órgão endócrino que controla o metabolismo. .
Agora, uma equipe internacional, com participação de investigadores brasileiros, descobriu que o tecido adiposo marrom segrega pequenas moléculas de RNA que caem na circulação sanguínea e regulam, em tecidos distantes como o fígado e a expressão de genes importantes para o metabolismo.
No caso de pessoas idosas, a produção desses microRNAs no tecido adiposo tende a diminuir com o envelhecimento, um fenómeno que, segundo os autores do estudo, parece estar associado ao desenvolvimento de doenças comuns em idosos, como diabetes. A descoberta abre caminho para o desenvolvimento de intervenções capazes de reverter o processo.
"De facto, intervenções nessa via podem ser bastante promissoras no tratamento de doenças associadas ao envelhecimento e fazer com que as pessoas vivam por mais tempo e de forma mais saudável," afirmou Marcelo Mori, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Da gordura ao fígado

Embora não contenham informações para a tradução de proteínas, os microRNAs, pequenos pedacinhos de RNA, desempenham uma função de regulação importante , sendo capazes de se ligar a moléculas de RNA mensageiro, podendo, por exemplo, inibir o processo de tradução de uma proteína.
O processo documentado pela equipe envolve uma enzima chamada DICER, pertencente à família das nucleases, que é capaz de cortar a molécula de RNA em pedaços menores, originando os microRNAs.
As experiências mostraram que esses microRNAs liberados pelo tecido adiposo na circulação de facto interferem na expressão génica de outros tecidos, um processo mediado pela proteína FGF21 - um factor de crescimento que controla várias funções metabólicas, entre elas a sinalização por insulina, captação de glicose, metabolismo lipídico e ingestão alimentar. Essa proteína é expressa principalmente no fígado.

O estudo foi publicado na revista Nature.

Paraíso, É ...

O paraíso, é a paixão que sentimos durante um abraço a alguém, que nunca chegaremos a conhecer.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Notícias Soltas

Opinião

Opinião: Jaime Gama
«A opinião pública está “anestesiada” porque “lhe é escamoteada a compreensão do problema [da dívida] e lhe é permanentemente afirmada a oferta ilusória de uma solução impraticável»

«.É uma ingenuidade enorme os responsáveis políticos portugueses considerarem que sozinhos têm a capacidade de como devedores, de limpar o nosso próprio passivo com um aplauso geral, com a condescendência geral daqueles que foram os nosso credores. Estes são discursos sempre apetecíveis e populares e esta é uma matéria sobre a qual é possível fazer toda a espécie de demagogia, mentindo e salvando a sua imagem com propostas absolutamente ilusórias » 

Fonte: Jaime Gama, OBSR  

Bom Mesmo É Ir À Luta Com Determinação

Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e viver com ousadia. Pois o triunfo pertence a quem se atreve e a vida é muito bela para ser insignificante.

Charles Chaplin  

quarta-feira, 22 de março de 2017

Acto Terrorista Em Londres

Dois terroristas capturados e um baleado no parlamento. Incidente está a ser tratado como um acto terrorista
Pelo menos uma dezena de pessoas ficaram feridas na ponte de Westminster, perto do parlamento inglês em Londres, esta quarta-feira, devido a um atropelamento em massa. Na mesma altura, segundo a Reuters, tiros foram disparados do lado de fora do parlamento e o edifício foi encerrado.

É Urgente Reformar A Europa

É imperativo encontrar uma liderança capaz de imprimir um novo rumo para um projeto fundamental para a paz e estabilidade do Velho Continente. A manutenção do status quo determinará, no médio/longo prazo, a implosão de um projeto cheio de virtualidades, mas que está velho e cansado, entregue a um conjunto de Velhos do Restelo incapazes de nos projetar na cena internacional e de nos fazer guindar aos sucessos do passado.
Sem uma reforma profunda da UE, assente em diversas velocidades, adequadas a um conjunto de países com motivações diferenciadas e condições excessivamente heterogéneas para integrar uma mesma carruagem, faremos com que o comboio europeu descarrile definitivamente, conduzindo ao desaparecimento de um projeto que tem definhado a olhos vistos.

João Antanásio, JE   

Poesia É ...

"A poesia é o eco da melodia do universo no coração dos humanos."

R.Tagore 

terça-feira, 21 de março de 2017

Notícias Soltas

Arte E Arquitectura


Ana Aragão  é uma arquitecta que se tornou ilustradora. Formada no Porto pela FAUP (2009), descobriu, depois de alguma experiência docente e durante as horas em que faz investigação científica acerca da representação do espaço urbano, que os seus verdadeiros projectos eram aqueles que não saíam do papel.

Umbigo
Futurismo Romantico

Tornando as suas cidades imaginárias visíveis, explora uma cartografia emocional de mapas mentais, onde a complexidade, a imprevisibilidade e o insólito se sobrepõem em layers psicogeográficos. As suas anagrafias são também um olhar crítico relativamente à cartografia do território actual, questionando os reais limites das manchas urbanas construídas.
Fonte: Entre outras, o OBSR

Nova Explosão Na Sapec, Em Setúbal

Registou-se hoje uma nova explosão na fábrica Sapec, em Setúbal, onde há um mês houve um incêndio num armazém de enxofre, avança a SIC Notícias. A mesma fonte indica que há um ferido.
As imagens divulgadas pela estação de televisão mostram uma grande coluna de fumo.

Bombeiros de Setúbal pedem reforço de meios 

Bem Vinda Primavera

Há uma primavera
Em cada um de nos 
É preciso dança-la
De flores ao vento
Na janela da vida
Repleta de cores 
Que florida estação 
De tantas flores 
Coloridas na alma
É chegada a primavera.


Isabel M R Fonseca 

segunda-feira, 20 de março de 2017

O BCE Está A Criar De forma Deliberada Uma Bolha No Mercado Dos Títulos De Dívida Pública

Através Da Sua "política de compra de activos".

Na passada semana, o Estado português emitiu títulos de dívida pública – ou seja, pediu dinheiro emprestado – por um prazo de seis e doze meses a juros negativos. O ministro das Finanças, Mário Centeno, apressou-se logo, como seria de esperar, a regozijar-se com o feito, que segundo ele fazia parte de “um conjunto de boas notícias” sobre a economia do país. “A taxa de juro a que Portugal hoje colocou dívida”, declarou o ministro, “foi ainda mais negativa do que a taxa que já era negativa nas últimas colocações”, um facto indesmentível e uma daquelas situações em que, como num exame médico, algo “negativo” é suposto ser bom.
Mas o que Centeno se escusou a dizer foi que os títulos de dívida pública – ou seja, os empréstimos que o Estado português contrai para ter o dinheiro que não tem para pagar as despesas com que se comprometeu – com maturidades a longo prazo continuam a ser negociados com juros a rondar os 4%, bem mais elevados que a maioria dos nossos parceiros da moeda única. Acima de tudo, não explicou por que razão essa disparidade existe, nem muito menos o que essa razão indica acerca do futuro que nos espera. Resta saber se o não fez por, coitado, não a perceber, ou se por o espírito de negação da realidade que se apodera de qualquer membro de qualquer governo o ter já obnubilado por completo, ou se por pura e simples desonestidade. (...) (continuar a ler)

 O “rebentar” da “bolha” não significa um descanso das atribulações; pelo contrário, significa o fim das ilusões e o despertar para uma dura realidade. Algo que, mais tarde ou mais cedo, o ministro Centeno irá descobrir. O pior é que o resto do país também sofrerá as consequências. E não nos vai custar pouco, certamente.

Bruno Alves, JE

Esta É A Lição Que Sampaio Nos deu Em 2004

De: Helena Matos
- Existe quem mande e os subalternos. Só percebendo essa lição se entende o fenómeno Sócrates e a tolerância face a António Costa.

Em Portugal existe quem mande - a esquerda que para o efeito obedece ao PS – e depois temos os subalternos que não vale a pena dizer que são de direita porque na verdade eles vivem num não lugar que, por prudência, definem como “não ser de esquerda”. Esse limbo ou não lugar que se define como “a não esquerda” é por assim dizer o máximo intelectual e socialmente aceitável em Portugal para quem quiser ser considerado civilizado, interessante, solidário e sobretudo viver em paz com as redes sociais, a maçonaria e o mundo mediático. A não esquerda pode existir, participar nas eleições mas, sobretudo quando está no poder, tem de admitir a sua subalternidade, penitenciar-se quotidianamente e retirar-se ou deixar-se retirar assim que lhe fizerem um sinal de que está a mais.

Veja-se como para a direita foi um alívio que Sampaio a tivesse desembaraçado de Santana Lopes. A pátria tremeu porque o dito Santana teorizou sobre os bebés e as incubadoras. Podia lá ser um homem de Estado usar uma imagem dessas?! Em boa hora Jorge Sampaio convocou eleições e passámos a ser governados por esse homem de Estado, por esse líder incontestado, por esse primeiro-ministro galvanizador chamado José Sócrates.

Naturalmente a mesma não esquerda que viveu com fatalismo o afastamento de Santana foi incapaz de fazer uma verdadeira oposição a Sócrates e até vivia no temor de que lhe ouvissem uma palavra menos própria sobre os comportamentos impróprios do primeiro-ministro. A isto junta-se que passavam a vida a lastimarem-se por não terem um líder tão dotado quanto José Sócrates.
Não perceberemos nunca como foi possível José Sócrates nem entenderemos como pode António Costa estar a levar o país para uma nova crise com um espantoso riso na cara sem atendermos a essa dicotomia entre governantes legítimos e subalternos que nos rege desde 2004. E sobretudo sem termos em conta que ser subalterno não só não se estranha como se entranha.

Fonte:,Helena Matos, OBSR

A Palavra Mágica

Certa palavra dorme na sombra
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.

Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
procuro sempre.

Procuro sempre, e minha procura
ficará sendo
minha palavra.

Carlos Drummond de Andrade 

domingo, 19 de março de 2017

Notícias Soltas

Luís Naves Tal Como Quase Metade Dos Portugueses Não Tem Dúvidas Quanto À Forma Como Vai Acabar O Actual Ciclo Político

Luís Naves [tal como cerca de metade dos portugueses] não tem dúvidas quanto à forma como vai acabar o actual ciclo político. Como todos os outros, mal. E por falta de dinheiro. “Cada ciclo começa com uma ambição muito grande, dão-se passos maiores do que a perna. Chocamos com a realidade, temos que cortar, o entusiasmo acaba, vem uma tempestade de fora… Este ciclo não vai ser diferente”, profetiza.

Luís Naves compilou mais de 1500 citações relativas aos últimos 43 anos 'O ADN da política portuguesa inscrito entre aspas,
e seis meses de má política - que foi mesmo o que tivemos, conclui.

É um livro de não ficção e tem um final infeliz, que o autor advinha e não se importa de revelar já: “Os ciclos políticos acabam sempre da mesma forma. Não há dinheiro, acabou a massa”. Esta é apenas uma das tendências, dos padrões, que o jornalista e escritor Luís Naves identifica olhando para 43 anos e 6 meses de má política (Contraponto, 2017), livro em que reuniu mais de 1500 frases, de protagonistas bem conhecidos e de cidadãos anónimos, que marcaram ou sintetizaram a vida política nacional, desde o estertor do velho Estado Novo à actualidade. E foi a partir desse posto de vista privilegiado, a que ascendeu enterrando-se nos arquivos dos jornais e emergindo na História, que chegou à conclusão de que a política portuguesa é mesmo má.

Outro problema que este conjunto de citações evidencia, diz o autor, é que “a nossa classe política não se renova muito”. “Se reparar bem, são sempre as mesmas pessoas, os políticos sobrevivem durante muito tempo. Na Alemanha, os políticos de hoje não têm nada a ver com os de há 20 anos”.
(continuar a ler)

Boas-noites

Boas-noites
A noite abre as flores em segredos e deixa que o dia receba os agradecimentos

R Tagore 


sábado, 18 de março de 2017

Notícias Soltas

Alentejo Inspira Exposição Em Leiloeira Parisiense

O pintor português Armando Alves tem patente uma exposição na Leiloeira Fauve Paris, em França.
Imagem de Armando Alves
São 14 as obras em exposição – realizadas de 1995 a 2016 – e que têm o Alentejo como inspiração, como revelou à LUSA o artista que é um confesso fã da terra alentejana, da sua "linha do horizonte e o céu imenso”, do "o compartimento das terras", das " várias cores que têm a ver com as estações do ano e as horas do dia" e do "barulho dos pássaros".
Confessa ainda à agência noticiosa que o Alentejo foi a sua fonte de inspiração e que continuará a ser “até ao fim do mundo” porque “é inesgotável.”
A pintura de Armando Alves – que conta já com muitas exposições, quer em Portugal, quer no estrangeiro, e que está representado em diversas colecções particulares e organismos públicos - é uma pintura transformada e a exposição “Uma Antológica Breve” marca o regresso do pintor natural de Estremoz, a Paris, onde já expôs na década de 60.

Fonte: Tribuna Alentejo

Encontrar Como Destino

O que não enfrentamos em nós mesmos encontraremos como destino.

Jung  

sexta-feira, 17 de março de 2017

Notícias Soltas

A Propósito Dos Debates Das Comissões Parlamentares

A transmissão directa dos debates (...) em particular, das comissões parlamentares de inquérito tornou-se, ela própria, um instrumento favorável ao acirrar das tensões e ao extremar de posições. O foco de qualquer discussão deixa de ser o tema em si mesmo para passar a ser o floreado circense destinado a impressionar e a mobilizar emocionalmente a plateia, envolvendo-a no processo e levando-a a reagir por instinto primário e com isso condicionar o adversário. Agitando as emoções e encandeando com elas a razão, estimula-se inevitavelmente a belicosidade e a radicalização de posições, favorecendo as dicotomias do "nós contra eles", e com isso se vai esfiapando a coesão indispensável à estabilidade de que depende a boa ordem e o bem-estar sociais. Não deixa de ser paradoxal, mas não surpreendente, que a transparência no funcionamento da vida política, usada como argumento justificativo de uma tal evolução, acabe por produzir resultados contrários àqueles que visa alcançar. Para já não falar da contradição maior - mas que não cabe desenvolver aqui hoje - de que a essa maior transparência processual acabe por corresponder muitas vezes a persistente obscuridade com que se insiste em proteger conteúdos essenciais à necessária responsabilização política.

Vitor Bento, DN

Não Quero O Presente, Quero A Realidade


Vive, dizes, no presente, 
Vive só no presente. 

Mas eu não quero o presente, quero a realidade; 
Quero as cousas que existem, não o tempo que as mede. 

O que é o presente? 
É uma cousa relativa ao passado e ao futuro. 
É uma cousa que existe em virtude de outras cousas existirem. 
Eu quero só a realidade, as cousas sem presente. 

Não quero incluir o tempo no meu esquema. 
Não quero pensar nas cousas como presentes; quero pensar nelas 
                          como cousas. 

Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes. 

Eu nem por reais as devia tratar. 
Eu não as devia tratar por nada. 

Eu devia vê-las, apenas vê-las; 
Vê-las até não poder pensar nelas, 
Vê-las sem tempo, nem espaço, 
Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê. 
É esta a ciência de ver, que não é nenhuma. 


Alberto Caeiro

quinta-feira, 16 de março de 2017

Esta É A Frase

Gerir cortinas de fumo é uma habilidade política conhecida, que se utiliza para esconder o que não é favorável ou para permitir a fuga a quem estiver numa situação difícil. Espera-se que o que há para ver já seja diferente ou que o fugitivo já não possa ser capturado quando o fumo se dissipar. O problema não está no observador, mas sim nos que colocam os biombos e produzem as cortinas de fumo.

Joaquim Aguiar, J Negócios

Assim Acontece

Ricardo Reis, professor da London School of Economics, encontrou-se na capital britânica, recentemente, com alguém que estava a ponderar investir “muito dinheiro” em Portugal. Mas o investidor mostrou-se inquieto e explicou porquê: “um país com uma dívida pública tão alta quanto Portugal tem duas hipóteses: ou corta na despesa ou aumenta os impostos. Como nos últimos quatro anos não conseguiram cortar na despesa, não é credível que o façam agora. Portanto, a alternativa vai ser que, se eu investir, vai haver um qualquer ministro das Finanças que vai encontrar uma forma de taxar os meus retornos e vai ser chamado de génio por isso”. Por outras palavras, um ministro genial que faça do investidor burro.

Esta foi uma das histórias ouvidas pela audiência que foi à Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, para uma conferência proposta pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que viria a encerrar os trabalhos. O tema: o investimento em Portugal.

Fonte:OBSR

Entrelinhas

Entrelinhas

Entre o sonho e o real,
Aqui estou eu.

Entre o que sou e o que almejo;
Entre o que ainda não sei que sei;
Entre o que hoje quero, mas só amanhã poderei.

LA


quarta-feira, 15 de março de 2017

Eleições Holanda


Às 9.42

Os liberais do primeiro-ministro Mark Rutte são os grandesvencedores da noite : eles estão preparados para tomar 31 dos 150 assentos do parlamento
  • Isso é um golpe para o Partido da Liberdade populista de Geert Wilders, que se saíram menos bem do que projeções, colocando o partido em uma luta pelo segundo lugar
  • O parceiro da coalizão de Rutte, Labour, vai "lamber suas feridas", diz Lodewijk Asscher, líder do partido, depois de uma batalha
  • Há uma batalha para o segundo lugar entre o Partido da Liberdade, os Democratas Cristãos e D66
  • euro subiu para um máximo de um mês , uma vez que os comerciantes estão vendo o risco político na Europa recuar após a má exibição de Wilders





Notícias Soltas

Nota: Holanda: Os liberais holandeses liderados por Mark Rutte  estão em 1º nas primeiras projecções, batendo o partido da liberdade.