terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

O Que Me Dói Não É


O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão...

São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor.

São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma.

Fernando Pessoa  

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde


O Ímpeto Ideológico E Totalitarista Da Esquerda Assume, Neste Cenário Proporções Inaceitáveis

Vivemos tempos de resistência. E se há bem maior pelo qual a resistência vale a pena, é a Vida. Saibamos estar à altura destes tempos e assumir o nosso papel na construção de uma sociedade humanista.

A poucos dias do debate dos diversos projetos de lei sobre a Eutanásia, fica clara a imposição de um modelo de funcionamento da sociedade, fica evidente o caminho destruidor de valores e de premissas estruturantes para a vida em comunidade, torna-se inegável o fascínio de certa esquerda por um experimentalismo social. A esquerda legisla, por vezes com a conivência dos que se tentam passar por “partidos de centro” ou de “direita”, ao arrepio do comum bom senso, que numa matéria de vida ou morte exigiria maior cautela, exigiria maior ponderação, mas no mínimo exigiria que duas condições fossem cumpridas: que o Parlamento aguardasse pelos diversos pareceres solicitados sobre a matéria em questão, permitindo um alargado e completo debate sobre a despenalização da morte assistida e que aos cidadãos fosse permitida a possibilidade de se pronunciarem sobre esta questão, utilizando a figura do referendo como mecanismo de auscultação dos Portugueses.

Pelos vistos, estes pareceres são um “acessório” para todos aqueles que se julgam acima da lei, acima dos que julgam representar. Legislam, de forma desenfreada, isto depois de na última legislatura (há menos de dois anos), quatro projetos de lei sobre a mesma matéria terem sido rejeitados na Assembleia da República. Sob a égide de uma atitude calculista, observam e verificam a possibilidade da legislação obter o crivo da maioria parlamentar, depois de um período eleitoral marcadamente omisso sobre esta temática. Os ditos representantes julgam-se proprietários da livre vontade dos Portugueses e têm uma visão perniciosa do mandato parlamentar, após eleitos, consideram-se “donos da Democracia”, “iluminados” que sobre tudo decidem, sem questionar se os caminhos que trilham são contrários à vontade expressa da maioria ou violam princípios fundamentais da Constituição.

O ímpeto ideológico e totalitarista da esquerda assume, neste cenário (e com a honrosa exceção do PCP), proporções inaceitáveis, ignorando estudos sobre a aplicabilidade da mesma legislação em outros países, bem como premissas constitucionais fundacionais da nossa Democracia, como por exemplo, o artigo 24º que determina, de forma expressa, que “a vida humana é inviolável”, logo alvo da defesa intransigente do Estado.(continuara ler)

Viver É Isto


"Viver é isto, ficar o tempo todo se equilibrando entre escolhas e consequências."


(Jean-Paul Sartre)

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde


Esta É A Frase (act.)

O “referendo à eutanásia” é para mim desajustado e equívoco, mas percebo que haja quem o queira, até para tentar contrariar uma provável maioria parlamentar. Se houver, lá estarei. Se houver assinaturas em quantidade suficiente, se houver pressão social (da Igreja, por exemplo), se houver debate e sobretudo tempo, faça-se!  (António Barreto, Público)

No debate sobre a eutanásia e o suicídio assistido, há elementos lamentáveis. As confusões deliberadas, feitas por políticos, activistas e jornalistas, entre suicídio assistido e eutanásia, assim como entre eutanásia activa e passiva, ou entre eutanásia voluntária e involuntária [ Esclarecimento é  não só necessário como imprescindível] são o resultado da ignorância ou da vontade de enganar. É igualmente deplorável que se trate o referendo como uma faculdade de mero oportunismo: quando convém, somos a favor do referendo; quando se receia o resultado, somos contra. É finalmente lastimável que haja quem utilize um tema como este para incomodar um partido ou obrigar a realinhamentos partidários. Mas paciência! A democracia é assim. A política também. Não vale a pena aspirar, nem sequer em temas como este, a uma discussão serena. (...)

Reconhecendo os perigos do referendo, é possível imaginar dispositivos que os diminuam. Exigir participação ou maiorias qualificadas, por exemplo. Estes mecanismos moderam os ânimos. Mas há um outro, essencial, o tempo. Entre a proposta de um referendo e a sua realização deveria decorrer um prazo de amadurecimento de vários anos, o que teria o condão de diminuir a demagogia, de arrefecer os entusiasmos e de obrigar a ponderar os argumentos. Tempo é reflexão.(ler texto completo)

Homenagem Às Mulheres

Elas sorriem quando querem gritar. 
Elas cantam quando querem chorar. 
Elas choram quando estão felizes. 
E riem quando estão nervosas.

Pablo Neruda 

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde

Os Lisboetas Não Podem Entrar na ZONA , Então A ZONA É A Ilha Da Fantasia

Resultado de imagem para lisboa sem carros

Novos velhos espaços são Zonas Livres de Lisboetas, Zonas que figuram nas páginas do imobiliário do “Financial Times” e “The Economist”, oferecendo Vistos Gold e apartamentos a um milhão de euros. Perfeito, é o progresso, é o segredo mais bem guardado da Europa, é o Sol e a segurança que não existe no Norte de África depois da Primavera Árabe e que desvia o Turismo para este porto azul na curva do Atlântico. Os Lisboetas perderam-se na névoa da Cidade, perderam-se na sirene dos navios, passam pela Baixa como estrangeiros, passam pela Baixa como ilhas humanas desprendidas do Rio – os Lisboetas são um barco supérfluo à superfície de tudo.

Carlos Marques de Almeida, ECO

Se os Lisboetas não podem entrar na Zona, então a Zona é a Ilha da Fantasia em que aportam os grandes Navios de Cruzeiro – um único Navio de Cruzeiro é o equivalente ambiental à circulação de 20 mil automóveis. Se os Lisboetas têm horários de empregados nocturnos, então a Zona é um Recinto de Recreio dos hóspedes dos Hotéis que deambulam a futilidade trágica da afluência concretizada em selfies exóticas tiradas num País tristonho que disfarça as olheiras mal dormidas de uma prostituta que não existe à luz do dia. O Presidente da Câmara deveria ter a imaginação dos corvos imponentes no símbolo da Cidade.

Somos Querer.

Cada um de nós é a linha que vai do que sente ao que faz e que passa pelo que pensa e diz... somos o que escolhermos sentir, pensar, dizer e fazer. Somos querer.

José Luís Nunes Martins

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde

A Propósito Da Eutanásia

Na eutanásia, trata-se de cruzar mais uma linha vermelha relacionada com a “sacralização” da vida humana. Ficará assim provado que não há limites para o exercício do poder político sobre a sociedade.

Rui Ramos,OBSR 

Quando tantos deputados dizem que é tema de consciência individual, vamos a isso. A consciência individual que importa é a dos cidadãos, não a dos deputados. Ninguém vota em consciências individuais.

José Ribeiro e Castro, OBSR

A Primazia De Acumular Sossego

«As sociedades modernas vivem tempos insanos. A serenidade é um artigo de luxo.»
Augusto Cury 
A tranquilidade, a serenidade e a calma ajudam-nos a conseguir a primazia de acumular sossego. E o sossego ajudará a prestar atenção, a reflectir, a meditar de forma introspectiva (observando nosso interior, avaliando nosso comportamento) ou de forma contemplativa (valorizando e apreciando o mundo exterior que nos rodeia e suas circunstâncias).
De qualquer forma, o sossego e a serenidade obrigarão a estar em Conexão com nós mesmos, a Meditar  para nos ajudar a conhecer melhor, a Vigiar a quantidade e o pesadelo que acumulamos de medos, culpas e ofensas, que tanto dano nos causam inconscientemente ao longo da nossa vida.
Irremediavelmente,  meditar e reflectir obriga-nos a ficar com a  serenidade necessária  para apreciar a vida de uma maneira uniforme, a considerar as nossas relações de forma lúcida e a manter a nossa atitude e pensamento livres de elementos nocivos.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde

A Propósito De Rendas Acessíveis: Das Promessas Aos Expedientes Passou A Valer Tudo

Teremos eleições autárquicas daqui a cerca de 18 meses. O Governo e a Câmara Municipal de Lisboa prometeram nos últimos anos milhares de casas. Hoje, inexplicavelmente estão de mãos a abanar. Em agosto de 2017 anunciaram que fariam 170 mil casas em 8 anos. Em abril de 2018, queriam 100 mil em 10 anos. Nas autárquicas de 2017 Fernando Medina prometia 6.000 casas em 4 anos.

Agora, realizaram que nos próximos 18 meses é preciso cumprir o que anunciaram e prometeram. Mas sabem que não se constroem casas em ano e meio.
Portanto, decidiram recorrer a todos os expedientes para apresentar resultados! Passou a valer tudo. Mesmo tudo.E não estiveram com meias medidas: - Ora leia. 

Boa Noite!



Boa noite, bons sonhos e um descanso merecido é o que todos precisamos para enfrentar o dia que em breve vai nascer! 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde (act.)


A Esquerda Radical Chique

Esta esquerda é incapaz de se relacionar com as pessoas comuns, não usa a linguagem nem compreende as preocupações das pessoas comuns e julga com superioridade moral os que vivem de forma diferente. (...)

Os intelectuais de vanguarda acusam os eleitores – mas a verdade talvez seja mais simples: esta esquerda é incapaz de se relacionar com as pessoas comuns. No seu exercício de sobre-intelectualização, não usa a linguagem das pessoas comuns, não compreende as preocupações das pessoas comuns, não aceita as ansiedades das pessoas comuns e julga com superioridade moral todos os que vivem de forma diferente, em especial quando esse modo de viver é herança das tradições locais e rurais.

Em Portugal, onde tudo acontece mais tarde, só agora estamos a perceber este afastamento, agravado pela distância que vai de Lisboa ao país real e da bolha da representação aos valores democráticos. Este esquerdismo ativista, cada vez mais urbanizado e envolvido nas suas lutas progressistas, parece cada vez mais longe das preocupações comuns dos portugueses. Estes preocupam-se com insegurança, injustiça, corrupção, hospitais que não funcionam, má alocação dos seus impostos, o futuro dos seus filhos. Os radicais chics, para usar a expressão de Pacheco Pereira, estão concentrados em agendas avançadas, culpabilizações ocidentais, redescrição da história, julgamentos anacrónicos e censuras linguísticas. O resultado é o espaço abrir-se a novas direitas e, sobretudo, a figuras que não hesitam em ecoar aquilo que os portugueses comuns dizem – não julgando as suas opiniões, não criticando a sua linguagem, não pretendendo mudar os seus hábitos alimentares, nem ridicularizando os seus medos.

A verdade é que esquerda e direita são conceitos intelectualizados. A maioria da população não quer saber se as ideias são de esquerda ou de direita. A maioria das pessoas quer sentir que a sua voz é ouvida e que a sua vontade é representada – foi isso que a democracia lhes prometeu e é isso que esperam dela. O que é muito diferente de intelectuais ativistas pretenderem impor à comunidade o novo mundo melhorado que idealizaram nas suas cabeças.

Patrícia Fernandes, OBSR  (Leia aqui o texto completo)

Quando O Sol Rompe A Penumbra

                                                         «A tua sombra encobre a minha felicidade,
que agora se esconde no meio da penumbra,
da escuridão e da solidão de uma noite silenciosa;
como a tua própria voz que se calou perante os meus ouvidos.»


Quando tudo parece escurecer ... quando as coisas estão difusas .. é quando um raio de luz aparece na vida de alguém, e a mudança te vira ... mostrando a realidade, sempre implícita, mas esse raio de luz, com a sua beleza única e chocante, questiona o que sempre foi admitido, dizendo  que isso nunca foi sólido ...  

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Notícias Ao Fim Da Tarde